Jornal Tijucas - China: exportações e importações têm queda menor que esperada em março

China: exportações e importações têm queda menor que esperada em março

Negócios -

As exportações e importações da China continuaram a cair em março, mas a um ritmo mais lento à medida que a atividade econômica do país começou a se recuperar das medidas adotadas para evitar a propagação ainda maior do novo coronavírus.

As exportações chinesas caíram 6,6% na comparação anual de março após terem baixado 17,2% no período de janeiro e fevereiro, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas da China nesta terça-feira. Economistas consultados pelo Wall Street Journal projetavam um recuo de 15,9% em março.

Já as importações chinesas se retraíram 0,9% no mesmo intervalo – nos primeiros dois meses do ano, o declínio foi de 4,0%. A projeção era de queda de 10% em março.

O superávit comercial geral do país chegou a US$ 19,9 bilhões em março, comparado com um déficit de US$ 7,09 bilhões no período de janeiro e fevereiro e expectativas de um superávit de US$ 21 bilhões para o mês passado.

Especificamente no comércio com os Estados Unidos, as importações da China de grãos de soja, carne de porco e outros produtos agrícolas aumentaram acentuadamente no primeiro trimestre, à medida que os dois países implementaram um acordo comercial limitado, disse uma autoridade alfandegária nesta terça-feira.

Ainda assim, o comércio exterior como um todo da China com os EUA se contraiu na comparação com os primeiros três meses do ano passado devido à pandemia do novo coronavírus, afirmou o porta-voz da Administração Geral de Alfândegas, Li Kuiwen.

As importações totais da China melhoraram em março na comparação com os primeiros dois meses, disse Li, citando uma recuperação na demanda doméstica por bens de consumo e matérias-primas.

Mercados

Os índices acionários da China avançaram nesta terça depois que o país divulgou os dados comerciais, dando a investidores esperanças de uma recuperação econômica apesar da disseminação global do coronavírus.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 1,93%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,59%.

O subíndice do setor financeiro do CSI300 avançou 1,67%, o de consumo teve alta de 1,98%, o imobiliário ganhou 2,08% e o de saúde subiu 1,88%.

“A correção no mercado acionário de março terminou, uma vez que o surto de coronavírus da China basicamente acabou, embora haja sinais de que o surto nos Estados Unidos e na Europa esteja atingindo um pico”, disse Yan Kaiwen, analista do China Fortune Securities.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 3,13%, a 19.638 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,56%, a 24.435 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,59%, a 2.827 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,93%, a 3.825 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 1,72%, a 1.857 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 2,31%, a 10.332 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 2,62%, a 2.634 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 1,87%, a 5.488 pontos.


Fonte: Com Agências