Jornal Tijucas - WhatsApp restringe encaminhamento de mensagens para até cinco contatos

WhatsApp restringe encaminhamento de mensagens para até cinco contatos

Ciência/Tecnologia -

WhatsApp restringe encaminhamento de mensagens para até cinco contatos - Photo by Allie Smith on Unsplash
 

WhatsApp restringe encaminhamento de mensagens para até cinco contatos - Photo by Allie Smith on Unsplash

 

O WhatsApp anunciou que a partir de hoje (7) começará a restringir o encaminhamento de mensagens dentro do aplicativo. A medida tem o objetivo de diminuir a disseminação de fake news durante a pandemia de covid-19. Na prática, o usuário só poderá encaminhar um conteúdo para até cinco pessoas, grupos ou listas de transmissão. Após atingir esse número, será necessário direcioná-lo para um de cada vez.

Leia mais:Unicef: chatbot via WhatsApp responde dúvidas sobre coronavírusWhatsApp lança ferramenta de combate a fake newsSaiba proteger sua conta no WhatsApp dos golpes mais recentes

Além de limitar o encaminhamento, a medida quer ampliar a fiscalização de conteúdo e alertar usuários. Isso porque, quando uma mensagem é enviada muitas vezes por todo o WhatsApp, ela é sinalizada com uma dupla seta ao lado da palavra “Encaminhado”. Isso significa que já foi muito disseminada e merece uma atenção maior do receptor.

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que o WhatsApp restringe o compartilhamento de mensagens. Inicialmente, ele permitia repassar conteúdo para 250 contatos de uma só vez. A partir de agosto de 2018, porém, esse número caiu para 20. Desde que passou a adotar essa postura mais rígida, o app baniu cerca de duas milhões de contas por tentar enviar mensagens em massa ou automatizadas.

Já para quem usa a versão beta do WhatsApp, o aplicativo chega com outra novidade: agora, os usuários podem descobrir mais informações sobre uma mensagem encaminhada. Um ícone de lupa aparecerá ao lado do conteúdo e permitirá pesquisá-lo na web, podendo encontrar notícias e dados relacionados. Tal verificação também visa reduzir a disseminação de fake news.

As novas restrições de encaminhamento estão sendo liberadas aos poucos para os usuários de Android e iOS. A função de lupa ainda não tem data para chegar ao público geral.

Na galeria, você conhece a história de 15 hackers famosos e suas façanhas (clique nas imagens para ver a legenda):

Jonathan James – Primeiro adolescente a ser preso nos Estados Unidos por cibercrimes. Com 16 anos, invadiu os sistemas da NASA e do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, roubou um software no valor de US$ 1,7 milhões e interceptou mais de 3 mil mensagens sigilosas. Se fosse maior de idade, pegaria 10 anos de prisão, mas cumpriu apenas seis meses. Jonathan se suicidou em 2008 e deixou uma carta afirmando que não acreditava mais no sistema judiciário. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Jonathan James – Primeiro adolescente a ser preso nos Estados Unidos por cibercrimes. Com 16 anos, invadiu os sistemas da NASA e do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, roubou um software no valor de US$ 1,7 milhões e interceptou mais de 3 mil mensagens sigilosas. Se fosse maior de idade, pegaria 10 anos de prisão, mas cumpriu apenas seis meses. Jonathan se suicidou em 2008 e deixou uma carta afirmando que não acreditava mais no sistema judiciário. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Hackers famosos: Kevin Mitnick – O norte-americano que invadiu a Nokia, IBM e Motorola quando tinha 15 anos, se tornou o primeiro hacker a estar entre os 10 criminosos mais procurados pelo FBI. Viveu clandestinamente em Israel e só foi preso depois que outro hacker o delatou, em 1995. Passou cinco anos na cadeia. Ao ser liberado, ficou três anos sem poder usar a internet. Sua história virou livro e depois foi transformada em um filme chamado de “Caçada Virtual”. - Crédito: campuspartymexico on Visualhunt.com / CC BY/33Giga/ND

Hackers famosos: Kevin Mitnick – O norte-americano que invadiu a Nokia, IBM e Motorola quando tinha 15 anos, se tornou o primeiro hacker a estar entre os 10 criminosos mais procurados pelo FBI. Viveu clandestinamente em Israel e só foi preso depois que outro hacker o delatou, em 1995. Passou cinco anos na cadeia. Ao ser liberado, ficou três anos sem poder usar a internet. Sua história virou livro e depois foi transformada em um filme chamado de “Caçada Virtual”. - Crédito: campuspartymexico on Visualhunt.com / CC BY/33Giga/ND


Fonte: Com Agências