Jornal Tijucas - Campos Neto repete que Copom considera último “ajuste” na Selic

Campos Neto repete que Copom considera último “ajuste” na Selic

Últimas notícias -

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu nesta quinta-feira, 21, durante reunião com representantes do Ministério da Economia e da indústria, que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC considera um “último ajuste” para a Selic (a taxa básica de juros), atualmente em 3,00% ao ano. De acordo com Campos Neto, este ajuste não será maior que o atual, de 0,75 ponto porcentual.

No início de maio, o BC cortou a Selic em 0,75 ponto porcentual, de 3,75% para 3,00% ao ano. O próximo encontro do Copom está marcado para junho.

“A conjuntura econômica prescreve estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas há potenciais limitações para o grau de ajuste adicional”, repetiu nesta quinta Campos Neto, conforme apresentação publicada pelo Banco Central em seu site.

“Para a próxima reunião, condicional ao cenário fiscal e à conjuntura econômica, o Comitê considera um último ajuste, não maior do que o atual, para complementar o grau de estímulo necessário como reação às consequências econômicas da pandemia da covid-19.”

Estas ideias já haviam sido transmitidas no início de maio, após o corte da Selic.

Campos Neto, destacou que as primeiras divulgações de dados econômicos em meio à pandemia do coronavírus apontam recessões severas em economias emergentes e, no Brasil, dados preliminares de varejo e do relatório Focus indicam forte queda da atividade.

Campos Neto chamou atenção para o fato de que, diante dos problemas externos e da situação doméstica, o fluxo de capital e moeda para o Brasil foram fortemente afetados.

O diagnóstico foi feito por Campos Neto em reunião com representantes das instituições dos Comitês de Indústria.

Na apresentação, o presidente do BC reafirmou, ainda, as colocações da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária de que a conjuntura econômica prescreve estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas que há potenciais limitações para o grau de ajuste adicional.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)


Fonte: Com Agências