Jornal Tijucas - Racismo: Negros e latinos enfrentam maiores taxas de infecção por coronavírus nos EUA

Racismo: Negros e latinos enfrentam maiores taxas de infecção por coronavírus nos EUA

Últimas notícias -

 

O coronavírus está infectando e matando negros e latinos de maneira assustadora nos EUA, segundo dados de vários Estados e cidades. A causa principal é a desigualdade no acesso à saúde e a cuidados médicos. Em Chicago, onde os negros são mais da metade dos que testaram positivo e 72% das mortes pelo coronavírus, representam menos de um terço da população.

"Esses números assustam", disse a prefeita de Chicago Lori Lightfoot, que é a primeira negra a ocupar o cargo. Em Illinois, 43% das mortes e 28% dos contaminados são negros – grupo que representa apenas 15% da população. Uma desproporção semelhante se repete nos Estados de Michigan, Louisiana, Carolina do Norte e Carolina do Sul.

Para especialistas, as razões são as desigualdades estruturais crônicas próprias do capitalismo decadente estadunidense. Em tempos de quarentena, a maioria dos negros não pode se dar o “luxo” de trabalhar em casa. Isso os coloca em alto risco de contrair a doença para manter o lucro dos capitalistas gananciosos.

Esquerda Diário
A estrutura social dos EUA, marcada pelo racismo fundante no DNA da burguesia, cria as condições para barbárie

Desigualdades também deixam os negros com menos condições de terem seguro-saúde e mais propensos a terem doenças preexistentes. Além disso, há indícios de que os médicos encaminhem para testes poucos negros com sintomas da covid-19.

Em Nova York, a maioria dos mortos pelo coronavírus são latinos, segundo dados divulgados ontem pelo prefeito Bill de Blasio. Um relatório preliminar aponta que 34% dos 3,6 mil mortes por covid-19 são hispânicos, que constituem 29% da população da maior cidade americana, de 8,6 milhões de habitantes.

A estrutura social dos EUA, marcada pelo racismo fundante no DNA da burguesia, cria as condições para barbárie, é urgente um plano de emergência para conter os índices de contágio e morte da população. Um sistema de saúde único e estatal, controlado pelos trabalhadores e testes massivos para a população, não é possível que os conglomerados e monopólios da saúde privada sigam lucrando com a morte de milhares!


Fonte: Com Agências