Jornal Tijucas - Varejo chega a perder 80% das vendas

Varejo chega a perder 80% das vendas

Últimas notícias -

 

O valor das vendas com cartões equivale a cerca de 40% do que nas contas nacionais, no PIB, se chama de “consumo das famílias”. Equivale a uns 25% do PIB.

O consumo de energia elétrica caiu 8% de 18 de março a 3 de abril, na comparação com os dias de 1º a 17 de março. Na sexta-feira, 3 de abril, caiu 14% (na comparação com a média das sextas-feiras de março até dia 17, pré-isolamento). Os dados, os mais recentes, são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica.

O varejo de bens não-duráveis, que inclui mercados e supermercados, sobe nesta semana, 4,7% (Páscoa?), mas caía 7,8% na semana passada.

Note-se que se trata de médias. As lojas de vestuário da rua estão sem vender nada, assim como o pessoal de serviços pessoais (salões de beleza, manicures, barbeiros) está sem trabalho. Muitos restaurantes estão fechados. Comércio e serviços demitem em massa. As medidas do governo, crédito para a folha e suplementação de salário não bastam. Não há como pagar salários um pouquinho maiores e outras contas, como aluguel.

Vale sempre repetir alguns números da vida real. A empresa mais comum no Brasil é a loja de roupas e acessórios: mais 1,1 milhão de firmas. A seguir, vêm os negócios de cabeleireiros, manicures e pedicures, com 808 mil empresas. Somados, os grupos restaurantes e lanchonetes e similares são 812 mil empresas.

A paralisia também atinge um centro da indústria, as montadoras de veículos. Na sexta-feira passada, o consumo de energia lá caíra 75% (em relação às sextas do mês de março antes do isolamento). Na indústria têxtil, queda de 52%. Nos manufaturados, 39%. Serviços, também menos 39%.

Em resumo, com dois meses desta situação haverá a maior recessão da história do país, um afundamento quase duas vezes mais rápido daquele que se viu em 2015.

Para diminuir o tamanho do desastre econômico, o governo terá de, no mínimo fazer o seguinte.

PRIMEIRO. Rever em detalhe o alcance das medidas de socorro, crédito ou doação, para salvar empregos e empresas. Microempresas ainda estão fora do radar, empresas um pouco maiores do que médias (faturam mais de R$ 10 milhões por ano) estão descobertas, pequenas e médias não estão conseguindo fechar as contas, estão fechando.

SEGUNDO. No que resta de racional no governo, elaborar um plano de guerra para produzir e comprar testes, criar meios de aplica-los em ordem e aumentar a capacidade de análise dos laboratórios. Parece que todo mundo já ouviu falar disso. MAS O GOVERNO NÃO TEM UM PLANO. Sem tal programa, não temos como planejar a saída do desastre.

Parece repetitivo. É. Precisa ser feito, é preciso capacidade executiva e liderança, para ontem. Não é um debate teórico nem louco, como a receita de óleo de cobra para espinhela caída do coronavírus, que se tornou a conversa central do nosso presidencialismo de alucinação.

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/2020/04/coronavirus-para-o-pais-governo-nao-tem-plano-racional-de-saida.shtml


Fonte: Com Agências