Jornal Tijucas - Novo trabalho do Atitude 67 vê a lua como símbolo de união mesmo em isolamento

Novo trabalho do Atitude 67 vê a lua como símbolo de união mesmo em isolamento

Últimas notícias -

Quando marcaram o lançamento do novo trabalho “Luau em Casa” para esta sexta-feira (10), os seis integrantes do Atitude 67 nem imaginavam que os brasileiros estariam presos em suas casas precisando de tranquilidade. Eles se basearam apenas no calendário da lua cheia.

Inspirando romance e sossego, o trabalho estará disponível nas plataformas de streaming e no Youtube. O “Luau…” contará com quatro músicas: três regravações ao vivo (“8 Segundos”, “Magrela” e “DreadLock”) e a inédita “Hot Rolo”, com Amanda Coronha.

 

Atitude 67 – Foto: Universal Music/Divulgaçao/ND

O “Luau em Casa” faz parte do DVD do Atitude 67. Após ser gravado, ele foi dividido em vários EPs temáticos. Somente neste ano, foram lançados Sunset 67, Label 67 e o Art In Nudes 67 – todos como parte deste trabalho.

De todos eles, o EP conta com as composições mais românticas unidas com a intimidade das performances ao vivo. “O Luau conta com a lua e a ideia de que todos podem olhar para o céu e se sentirem conectados”, conta Éric Polizer, cantor e compositor do grupo. Confira a entrevista a seguir.

O principal símbolo deste trabalho é a lua. Por que?

Éric Polizer: Nesse período de produção, percebemos que se tem alguma coisa que conecta todo mundo é o céu, que traz a lua. Se todo mundo poder se conectar através dela, todo mundo permanecerá conectado. E está tudo bem.

Esse álbum se comunica com esse período de isolamento e tensão? Foi pensado para isso?

EP: Já tínhamos o projeto dividido, queríamos lançar o Luau nesse período de lua cheia. Mas foi uma incrível coincidência. A sonoridade é mais acústica, é um trabalho com músicas mais calmas, que inspiram mais tranquilidade para enfrentar esse período de isolamento.

O que o “Luau em Casa” traz de novo para o Atitude 67?

EP: Nós já tínhamos três das quatros músicas que fazem parte dele, elas foram escolhidas a dedo. Mas nesse projeto passaram por uma releitura total. No DVD contamos com o calor da galera, antes nunca tínhamos gravado nada com público, no máximo com amigos e familiares. Agora, com eles, a música tem uma energia novamente renovada, com mais calor e intensidade.

Nesse show o público curte com a gente e isso foi muito perceptível.  Foram escolhidas as nossas músicas favoritas desses dois últimos anos, junto a participação de nomes como Gabriel O Pensador e Thiaguinho. No Luau, contamos com a participação de Amanda Coronha.

Então esse trabalho reflete a mudança nas músicas com a experiência ao vivo?

EP: Sim, é comum na carreira de artistas um desenvolvimento sonoro das músicas, pois elas mudam com as com as turnês. Você vai lapidando uma nova forma de cantar nos shows. O trabalho faz um registro dessa mudança. Tem parte que a gente nem canta.

Leia também:

  • Em quarentena, rapper baiano Baco Exu dos Blues lança álbum em três dias
  • Live de Marília Mendonça bate recorde mundial, com 3,2 milhões de espectadores

Após essas participações neste trabalho, com quem ainda gostariam de trabalhar?

EP: Fica difícil falar por todos. Somos seis caras muitos diferentes e temos muitas novas parcerias que queremos deixar em segredo ainda. Mas a galera pode esperar que teremos novos ídolos. Preferimos deixar no oculto e pedir para a galera nos seguir nas redes socais (risos).

Como nasceu o nome “Atitude 67”?

EP: Essa vou deixar para o Pedrinho [Pedro Pimenta, vocalista] responder (risos).

Pedro Pimenta: Nestes últimos dois anos já tiveram várias teorias. A banda já tem 15 anos, e quando éramos moleques, fomos para Campo Grande. O nome nasce porque cantávamos pagode e rap. Quando mudamos para São Paulo, o pessoal de botequim nos pedia para tocar e o nosso DDD, de Mato Grosso, era 67.

Sempre misturamos os dois gêneros, misturando instrumentos de samba e rima de rap. O pessoal do samba não admitia que era samba e o pessoal do rap, a mesma coisa.

Comparando o Atitude 67 de 2003 e o de agora, qual a principal diferença?

EP: A principal diferença é o profissionalismo. Fomos criados para fazer farra e festar, no caminho criamos o hábito de escrever e fizemos disso uma missão, é muito louco. A principal diferença é o profissionalismo, porque o espírito continua o mesmo: continuamos fazendo o que estamos fazendo por prazer e sem pressão, mas agora todo mundo chega no horário.

Onde escutar:

A partir da meia-noite de quinta (9) para sexta (10): https://umusicbrazil.lnk.to/LuauEmCasa

Estreia, a partir das 10h30 de sexta (10)
Link do multiclipe e da première de amanhã e este. 


Fonte: Com Agências