Jornal Tijucas - Bolsonaro volta a defender cloroquina; Mandetta prega cuidado

Bolsonaro volta a defender cloroquina; Mandetta prega cuidado

Últimas notícias -

Ministro Luiz Henrique Mandetta

Opresidente Jair Bolsonaro foi ao Twitter na noite desta terça-feira (07/04) e voltou à carga em defesa do uso mais amplo possível da hidroxicloroquina como tratamento de pacientes com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Ele postou um vídeo com entrevista da médica Nise Yamaguchi, defensora da tese de uso abrangente do medicamento, inclusive em casos mais leves.

- Imumologista/oncologista Nise Yamaguchi e o uso da Hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19.

Vídeo incorporado
 
O tuíte de Bolsonaro foi feito pouco depois de seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, declarar, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, que não poderia indicar o remédio para “todos”. Mandetta manteve a posição de que ainda não há estudos científicos validados pela academia sobre os efeitos da cloroquina em pacientes com a Covid-19, e que os protocolos atuais permitem apenas a indicação – por médicos e em casos específicos – para pacientes em estados considerados críticos ou graves. Hoje, o remédio é recomendado essencialmente para pacientes com doenças autoimunes (como lúpus) e com malária.

A posição de Nise Yamaguchi é, ao contrário, a de que a cloroquina precisaria ser administrada pouco depois da identificação dos sintomas. Ela citou, na entrevista, que advoga o uso já a partir do segundo dia sintomático. O nome da imunologista vem sendo citado como opção para substituir Mandetta caso fique insustentável a rixa entre o presidente e seu ministro.

Mandetta até afirmou que em casos moderados o medicamento poderia ser indicado – desde que os médicos assumissem os riscos e os pacientes estivessem bem conscientes da falta de confirmação científica dos efeitos e das possibilidades de reações colaterais graves. Há relatos de efeitos colaterais que vão de arritmias cardíacas a perda da visão.


Fonte: Com Agências