Jornal Tijucas - Roraima mantém 42 casos confirmados. Brasil registra 11.130

Roraima mantém 42 casos confirmados. Brasil registra 11.130

Últimas notícias -

 
 
 
EM Roraima, mais seis casos suspeitos foram examinados e descartados após análise (Foto: Divulgação)

A nova atualização informa o Estado contabiliza até o momento 171 notificações para o COVID-19, de acordo com os critérios de definição de caso do Ministério da Saúde. Deste total, 03 são considerados suspeitos, 126 foram descartados e 42 foram confirmados segundo o Boletim Epidemiológico desse domingo (05).

Mais seis casos suspeitos foram examinados e descartados após análise do Laboratório Central (Lacen).

Com relação apenas as confirmações para a doença, 36 casos foram notificados em Boa Vista, 03 no Bonfim e 03 na cidade de Cantá.

No país

O Ministério da Saúde divulgou, na tarde de ontem (05), os números atualizados do novo coronavírus. De acordo com a pasta, o número de infectados, no momento, é de 11.130. Isso representa um aumento de 852 casos em relação ao balanço divulgado ontem (4). O número de mortes é de 486. Foram 54 mortes nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade do vírus no Brasil é de 4,2%.

O estado de São Paulo ainda concentra o maior número de casos (4.620) e também o maior número de mortes (275). Todas as regiões, no entanto, apresentaram aumento no número de casos. Em relação às mortes, apenas o Centro-Oeste não teve aumento, permanecendo com 12 óbitos registrados.

Na região Sudeste, o Rio de Janeiro, com 1.394 casos e 64 mortes; e São Paulo, com 4.620 casos e 275 mortes, se destacam. Na região Norte, o Amazonas concentra o maior número de casos, com 417, além de 14 mortes.

Na região Nordeste, o Ceará se destaca, com 823 casos e 26 mortes. No Centro-Oeste, o Distrito Federal tem o maior número de casos, muito à frente dos demais, com 468 casos e sete mortes. Os estados do Sul do Brasil apresentam um número de casos mais parelho. O Paraná é o estado da região com mais casos, 438, e Santa Catarina é estado com menos casos, 357.

Entre os grupos de risco com mais mortes estão os que sofrem de cardiopatia e diabetes. O Ministério da Saúde também registra mortes em pacientes com quadros de pneumopatia, doença neurológica, doença renal, imunodepressão, obesidade, asma, doença hematológica e doença hepática.


Fonte: Com Agências