Jornal Tijucas - COVID-19: 4 estados podem entrar em ‘aceleração descontrolada’

COVID-19: 4 estados podem entrar em ‘aceleração descontrolada’

Últimas notícias -

Coronavirus Exercito Descontaminacao Hospital HRAN HospitalDeBase Lavagem 31Mar2020 83 868x644 1 - COVID-19: 4 estados podem entrar em 'aceleração descontrolada'

A análise faz parte do novo boletim epidemiológico do ministério que está previsto para ser divulgado neste sábado (4). O documento mostra que o Brasil ainda não tem testes e leitos suficientes para fase aguda da epidemia.

Este sábado é o 37º dia desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no país. No documento a ser publicado, a pasta faz uma revisão da trajetória do vírus e reconhece gargalos diante de uma possível fase crítica.

O documento descreve quatro fases para a epidemia: localizada, aceleração descontrolada, desaceleração e controle.

A avaliação da pasta é que nos quatro estado e no DF, a taxa de incidência já fica acima da nacional, que é de 4,3 casos por 100 mil habitantes. No Distrito Federal, já é quase o triplo: 13,2 casos a cada 100 mil habitantes.

Por isso, a pasta reforça a recomendação para que os estados mantenham medidas de distanciamento social. “Este evento representa um risco significativo para a saúde pública, ainda que a magnitude (número de casos) não seja elevada do mesmo modo em todas os municípios”, aponta o ministério, que avalia o risco nacional como “muito alto”.

Isso porque haverá uma insuficiência de insumos. De acordo com o documento, a rede atual de laboratórios é capaz de processar 6.700 testes por dia. No momento mais crítico da emergência, porém, serão necessários 30 mil a 50 mil testes por dia.

Sobre os leitos de UTI e internação, a avaliação aponta que também não estão ainda “devidamente estruturados e em número suficiente para a fase mais aguda da epidemia”, que diz ainda que há  “elevado risco para o SUS”.

“E apesar de alguns medicamentos serem promissores, como a cloroquina associada à azitromicina, ainda não há evidência robusta de que essa metodologia possa ser ampliada para população em geral”, informa.

O Ministério da Saúde recomenda aos estados que implementaram medidas de restrição de circulação  mantê-las até que o suprimento de equipamentos e profissionais seja suficiente, conclui o documento.

Segundo a análise, medidas de restrição e distanciamento social têm ajudado a estruturar a rede de saúde “para o período de maior incidência da doença, que ocorrerá dentro de algumas semanas.”


Fonte: Com Agências