Jornal Tijucas - Suspensa por doping, Bia Haddad trocou tênis por violão e família

Suspensa por doping, Bia Haddad trocou tênis por violão e família

Últimas notícias -

 
Suspensa preventivamente há mais de seis meses após ser flagrada em exame antidoping, a tenista brasileira Bia Haddad, 23, aproveita o período de gancho para redescobrir uma vida além do esporte.

Nesta segunda-feira (10), a Federação Internacional de Tênis (ITF) divulgou que ela precisará cumprir dez meses de afastamento e estará liberada para voltar às quadras em 21 de maio.

A pena pela substância anabólica para a qual testou positivo poderia ser bem maior, de até quatro anos, mas Bia conseguiu comprovar que houve uma contaminação involuntária nos suplementos que tomava por prescrição médica e por isso pegou uma suspensão mais branda.

Bia comemora após vencer Muguruza na primeira rodada do torneio de Wimbledon de 2019
Bia comemora após vencer Muguruza na primeira rodada do torneio de Wimbledon de 2019 - Adrian Dennis - 2.jul.2019/AFP

Após nove anos morando fora da casa dos pais, a tenista de 23 anos voltou a viver com eles, em São Paulo. As quadras de tênis foram substituídas por cafés da manhã com a família. Os vestiários viraram saídas com amigos de infância. Ela também aproveita para passar mais tempo com o namorado, o tenista Tiago Monteiro, algo quase impossível quando os dois estão em atividade no circuito.

Proibida pelo código antidoping de praticar o esporte, a brasileira passou a procurar outras atividades. Foi para a academia para manter o corpo em movimento, entrou na natação, fez aulas de francês e inglês e voltou a tocar violão.

A notícia de sua suspensão preventiva foi divulgada em 22 de julho de 2019, menos de dez dias depois da morte de Pedro Dumont, tenista de 25 anos que tinha câncer e era amigo da brasileira. Para Bia, a sequência difícil a ajudou a amadurecer.

"Nós, tenistas, vivemos numa bolha de hotel, aeroporto e clube, só pensamos em tênis. Aí você começa a abrir um leque na sua cabeça", completa.

Ex-número 58 do ranking mundial, Bia diz que o que mais a machucou nesse período foi o julgamento das pessoas, que passaram a observar com "rabo de olho".

Ela critica o que considera um sistema injusto para os atletas: “Neosaldina é doping, maconha é doping. Às vezes, a contaminação pode ser pequeníssima, pode ser numa carne que você comeu, numa bebida de alguém tomando remédio, num abraço que você deu em uma pessoa que estava passando remédio para acne...”.

A lista de substâncias proibidas pela Wada (Agência Mundial Antidoping) é amplamente divulgada. No caso dela, um exame de urina realizado em 4 de junho de 2019, durante o torneio WTA de Bol, na Croácia, indicou a presença dos anabólicos vetados sarm S-22 e sarm LGD-4033.

Sua defesa enviou os frascos do suplemento que a tenista ingere para um laboratório no Canadá, onde foi comprovada a contaminação cruzada.

"Uma vez que a jogadora não sabia sobre os contaminantes [...], a ITF aceitou que a jogadora cumpriu com sua responsabilidade de demonstrar que sua violação foi não intencional", diz um trecho da decisão da federação.

No documento, a entidade cita outros casos recentes de brasileiros flagrados no antidoping e que também alegaram contaminação. Marcelo Demoliner, Thomaz Bellucci e Igor Marcondes receberam penas de, respectivamente, três, cinco e nove meses.

“Diante do aumento dos casos de contaminação [de brasileiros], os atletas não podem mais alegar ignorância. Então os casos anteriores acabam servindo como uma forma de aumentar a pena da Bia em função dos diversos precedentes”, diz Bichara Neto, advogado da tenista.

Ela, que poderá voltar às quadras a partir de 21 de julho, diz que já nas próximas semanas deve iniciar uma parceria com um novo nutrólogo, do Rio de Janeiro. Seus primeiros torneios devem ser na Europa.

Com a punição, Bia despencou no ranking mundial e perderá todos os seus pontos até o retorno. Por isso, é quase impossível que se classifique para os Jogos de Tóquio, que começam no dia 24 de julho.

A atleta afirma que evita pensar nisso e que quase nem assiste ao esporte, para tentar manter a mentalidade positiva. Por enquanto, ela deixa o sonho olímpico “numa gavetinha ali, guardado”.

“Só quero voltar a fazer o que eu gosto, sentir o friozinho na barriga, quicar a bolinha no chão, falar ‘vou no backhand dela’ e sacar”, finaliza.


Fonte: Com Agências